(19) 9 9200-5515

NO AR

Radio Magnificat FM

magnificatfm.com.br

Saúde

Câncer - Quando a angústia é normal?

A angústia é uma emoção, sentimento, pensamento, condição ou comportamento desagradável

Publicada em 06/06/24 às 09:06h - 16 visualizações

por Radio Magnificat FM


Compartilhe
 

Link da Notícia:

Procure ajuda!  (Foto: Radio Magnificat FM)

Angústia

A angústia pode afetar a maneira como você pensa, sente ou age e pode dificultar o enfrentamento do câncer, além de lidar com os sintomas, tratamento e efeitos colaterais. Pesquisas mostram que a angústia pode afetar a forma como você toma decisões e age sobre a saúde também. Você pode ter problemas para se concentrar nas decisões de tratamento, marcar consultas de acompanhamento ou até mesmo tomar medicamentos importantes para o seu tratamento. As pessoas podem descrever a angústia como um sentimento:

Triste, Medroso, Bravo, desamparado, sem esperança, fora de controle, inseguro de sua fé, propósito ou significado na vida, como se eles quisessem se afastar das pessoas, preocupado com a doença, preocupado com o lar ou o papel social (como pai, mãe, amigo, cuidador, etc.), deprimido, ansioso ou em pânico.

Quando a angústia é normal?

 Uma certa angústia é normal quando você ou um ente querido tem câncer. Há muitas coisas que de repente parecem incertas. A angústia é comum em pessoas com câncer e em seus familiares e entes queridos. Na verdade, tudo sobre ter câncer é estressante. Portanto, uma certa angústia é normal quando você ou um ente querido tem câncer. Por exemplo, algumas pessoas:

Têm preocupações sobre o que pode acontecer com seus corpos.

Preocupam-se com a forma como as pessoas de quem gostam vão lidar com o câncer e todas as coisas que podem acontecer.

Tem medo de como será o futuro. Muitas vezes as pessoas se perguntam: “Será que vou morrer?” e "Por que isso está acontecendo comigo?"

Pode não se sentir mais seguro e pode se sentir com medo, exposto, fraco e vulnerável.

Certos momentos durante o tratamento ou partes da experiência do câncer podem trazer mais sofrimento do que outros. Alguns desses momentos podem incluir:

Ter um novo diagnóstico de câncer.

Fazer testes genéticos.

Espera pelo tratamento.

Realizar mais testes ou tratamentos.

Ser internado ou receber alta do hospital.

Encerramento do Tratamento.

O tratamento de controle parou de funcionar.

Escutar que o câncer voltou ou piorou.

Iniciar outro tipo de tratamento.

Ter câncer avançado.

Ter um grande efeito colateral ou complicação.

Aproximar-se do fim da vida.

Quando a angústia é ainda mais séria?

Às vezes, a angústia pode ir de um nível esperado para um nível que interfere no tratamento, torna difícil para você funcionar ou lidar e afeta todas as partes de sua vida. Em alguns casos, uma pessoa com angústia pode ter problemas para dormir, comer ou se concentrar. Alguns podem ter pensamentos frequentes de doença e morte.

Sinais e sintomas de angústia mais grave:

Sentir-se sobrecarregado ao ponto de entrar em pânico.

Sentir-se dominado por uma sensação de pavor.

Sentir-se tão triste que pensa que não pode passar pelo tratamento.

Ficar extraordinariamente irritado e com raiva.

Sentir-se incapaz de lidar com a dor, cansaço e náusea.

Baixa concentração, “pensamento confuso” e problemas repentinos de memória.

Ter muita dificuldade em tomar decisões - mesmo sobre pequenas coisas.

Sentir-se sem esperança – imaginando se há algum sentido em continuar.

Pensar em câncer e/ou morte o tempo todo.

Ter problemas para dormir ou dormir menos de quatro ou cinco horas por noite.

Ter problemas para comer por algumas semanas.

Conflitos familiares e questões que parecem impossíveis de resolver.

Questiona a fé e as crenças que uma vez lhe deram conforto.

Sentir-se inútil, como um fardo para os outros.

Outras coisas ou questões, mesmo as do passado, podem aumentar o risco de angústia e sinalizar a necessidade de ajuda. Por exemplo, a angústia pode aumentar se você tiver efeitos colaterais descontrolados relacionados ao câncer, outras doenças graves, problemas financeiros, acesso limitado a cuidados de saúde, problemas de transporte, filhos pequenos em casa ou barreiras de alfabetização e compreensão. Estudos também mostram que as mulheres têm um risco maior de angustia, assim como as pessoas que sofreram abuso físico ou sexual no passado, ou se têm histórico de transtorno mental ou abuso de drogas ou álcool.

O que o paciente e o cuidador podem fazer

Sua primeira linha de defesa para lidar com o sofrimento é ter uma equipe de tratamento de câncer com a qual você se sinta seguro e se possível, tenha um psicólogo ou psico-oncologista te acompanhando. Mesmo que você ache que seus sentimentos e pensamentos são insignificantes, converse com eles sobre como você se sente. Eles podem direcioná-lo para a ajuda que você precisa. Lembre-se de que eles estão tratando de VOCÊ, não apenas do câncer, e contam com você para contar como está e o que está sentindo. Lembre-se, ninguém pode fazer isso, exceto você.

Se você é um ente querido ou cuidador que está se sentindo angustiado, não há problema em informar à equipe de tratamento do câncer que você precisa de ajuda. Mesmo que a maioria das informações aqui contidas pareça ser para a pessoa com câncer, elas também podem ser úteis para seus entes queridos e cuidadores. Essas pessoas são uma forte fonte de apoio e seu bem-estar também é importante.

Para mais informações, consulte: www.oncoguia.org.br




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








TORNE-SE NOSSO SÓCIO CONTRIBUINTE LIGUE

(19) 3452-3731

Visitas: 273558
Usuários Online: 4
Copyright (c) 2024 - Radio Magnificat FM
Converse conosco pelo Whatsapp!